Você quer ler aquele livro, usar um aparelho eletrônico ou aquela roupa incrível, porém, quem disse que é preciso comprar o produto para se usá-lo? Esta é a proposta da Economia Colaborativa: você utiliza o produto ou serviço, sem precisar possuí-lo de fato.

Você usa enquanto lhe é útil e depois que você não tiver mais interesse, pode dar a oportunidade de outra pessoa se beneficiar dele. Muitas pessoas acham que precisam de um objeto, mas a verdade é que elas só precisam do que aquele objeto oferece, seja uma verdadeira utilidade ou uma simples satisfação.

Então, se até agora você não sabia o que é a Economia Colaborativa, após você conhece-la e descobrir as suas vantagens, é bem provável que você se torne um adepto desta prática.

O que é?

Apesar de muitas pessoas não conhecerem essa prática no Brasil, aos poucos ela vem ganhando força não apenas no nosso país como no mundo inteiro.

time-to-share

A ideia do consumo colaborativo é que a pessoa troque, alugue ou compartilhe produtos ou serviços, de forma que ela divida aquilo ao invés de acumular. É possível usar o exemplo das mães, que utilizam por pouco tempo as roupas em seus bebês (crescem muito rápido e as roupas já não lhe servem) e por fim, às vezes, ficam guardadas em casa sem nenhuma utilidade.

Em meio as crises financeiras e as consequências da degradação do meio ambiente, a economia colaborativa se torna uma ótima opção para quem deseja economizar e investir em práticas mais sustentáveis.

Troca de experiências

Outro fato muito interessante que essa economia oferece é a troca de experiências. Com o auxílio da internet a prática do consumo colaborativo se torna ainda mais fácil, afinal, você pode expor o seu produto/serviço para pessoas de diversos lugares e faixa etárias.

A economia colaborativa te incentiva a compartilhar tudo aquilo que possa ser útil para outra pessoa (casa, carro, objetos eletrônicos, roupas, livros etc), além de também ter a opção de fazer trocas de serviços (ensinar a tocar algum instrumento ou falar algum idioma, entre outros) em que você oferece algo e a outra pessoa se dispõe a fazer outra coisa por você, e os dois se beneficiam.

E com isso, você acaba conhecendo e interagindo com muitas pessoas, aprende, divide experiências, e até mesmo faz novas amizades.

Como praticar

Graças à internet, tudo se tornou mais fácil. Hoje em dia, facilmente se encontra grupos de consumo colaborativo no Facebook, entre outras redes sociais. Além disso, também é possível contar com sites e aplicativos, que funcionam como uma rede onde pessoas que aderiram a essa prática sustentável possam compartilhar entre si.

sharing

É o caso do {Alooga}, uma plataforma em que você pode em encontrar o que você quiser, pelo o tempo que você precisa. Nela locadores e locatários podem se beneficiar, onde quem busca algo pode alugar de um usuário próximo a ele, economizar custos de manutenção, estoque e transporte.

E por sua vez, quem está oferecendo o produto pode fazer uma grana extra com algo que ele não esteja mais usando, uma nova forma de empreender.